Jovem Morto – MAYTHA

As votações foram encerradas

No dia 24/07/2020 divulgaremos a lista dos finalistas.

Nome: MAYTHA

Cidade/Estado: Osasco, SP

Nome da Música: Jovem Morto

Letra da música:

(Intro)
Vejo memo sangue memo corpo tudo de novo, e daqui mil anos eu nao vejo nada só escória e predominancia de um povo, odeio vê jovem morto
(Verso 1)
Vocês fizeram a droga sintética chega na boca dos adolescente e das favela
uma geração de dependente eu vi a dança se transforma no lança
E é claro que eu não quis aproveitar, quem me dera se meus amigos tivessem a mesma cabeça
Ja vi muito jovem morto já muito negro morto e por que que isso acontece
Vocês tão querendo legaliza algo que mata, escraviza meu povo a mais de 500 anos, a tal da morte de fogo
Fizeram do nariz nossa nova corrente, não é um grito de socorro é um grito de um sobrevivente,
É um grito de aviso, já matei muitos daqui mas ainda tem o suficiente pra mata muitos de lá, mirar e descarregar o pente
Tatuou jesus no peito e ta se achando a prova de bala eu tatuei ogum na perna e agora to matando a canelada
Vocês falam do aborto no conforte de um triplex, eu to falando da violência com uma rajada na janela, uma Aka de alta cadência
Me pediram pra escolher o lado certo, a .40 dos cana vasculhando o meu carro ou a .50 dos vapo vasculhando a minha casa querendo minha irmã pelada
Escolho bem as minhas cores, minhas roupas, meu valores
Pra ser poupado do lado de cá, e morto do lado de lá, porra!
Da licença que minha geração tem pressa tem apresso, foda-se o retrocesso
(Refrão)
E eu, que demorei muito pra conquistar isso aqui
Pode vir com que quiser ja bateram pra carai e eu ainda to de pé, tô na luta (2x)

(Verso 2)
Pra que o tempo todo quer se impor
A mãe disse fica mas ele foi lá resolver e nunca mais voltou, nunca mais abraço, ah
Quem me dera se ele tivesse sido mais rápido, tivesse sacado, atirado primeiros, hoje seria outra mãe chorando em outro enterro
De todo meus esforço esse o meu fruto, 365 dias, 12 eu passo de luto
Quer fazer justiça no Brasil ? Larga na mão de cada mulher um fuzil
(Ponte)
E lá vem, o filha da puta ta de arma na cintura e tá pedindo paz, eu vou mata mais da metade pra provar que eu ainda tenho gás
I have a dream neguin, I have a dream neguin, e não é você que vai tirar de min
(Refrao)
E eu, que demorei muito pra conquistar isso aqui
Pode vir com que quiser ja bateram pra carai e eu ainda to de pé, tô na luta (2x)

(Verso 3)
Quer falar da favela, e que representa a rua mas nunca fez parte dela
Voltando pra vila, de dia nois aceita suas leis mas de noite ta tudo no nosso nome
Jovem preto rico ta virando super home, e agora eu quero ver quem é que fica, muito nada mais me intimida
E se um dia eu encontrar alguém que nem eu, é minha mãe que teme, é uma mãe que treme é uma mãe que chora.